Venezuela, Japão: o Komaba música Estudiantina como uma ponte entre os países "distantes"

Print E-mail
Sociedade e Você - Crítica Social
Sunday, 15 July 2012 11:03

Esse post, escrito em colaboração com Tomomi Sasaki [in], é parte de uma série sobre a música como uma ponte entre Venezuela e Japão.

Alguma vez você já se perguntou o que poderia ter venezuelanos interesses comuns e os japoneses? Se a primeira coisa que vem à mente são a manga e sushi, nós convidamos você a explorar como os músicos japoneses fizeram a música tradicional venezuelana seu principal interesse, e como o seu apoio seguidores venezuelano e se conectar com estes artistas usando a mídia cidadã.

Começamos uma pequena série de posts sobre este assunto com algumas opiniões sobre a música venezuelana de blogs japoneses. Mostrar algumas conversas em torno da Estudiantina Komaba [ja] e vamos continuar o que os blogueiros na Venezuela e em Tóquio dizer sobre eles. Palestras também vai explorar outros artistas que usam seus blogs para compartilhar músicas e muito mais. Finalmente, vamos ver como a música conecta dois países que, até agora, se acreditava serem afastadas.

Imagem do grupo no Facebook "Fãs em Venezuela Estudiantina Komaba ', usadas com permissão.

Um vídeo da Estudiantina onde ele toca a música tradicionalísima venezuelano planícies Alma se tornou o centro da conversa em blogs e tweets. Francisco Toro, em seu blog Caracas Chronicles, ficou curioso o suficiente para entrar em contato e entrevistar o grupo através da Internet. Em seguida, um fragmento de uma entrevista , em que o professor junho Ishibashi, líder do grupo, as ações da história da iniciativa:

[A] Estudiantina Komaba nasceu 01 de agosto de 2009, após a conclusão do primeiro concerto no final do curso "Introdcción a interpretação da música latino-americana" [...]
Komaba Estudiantina são graduados da classe e aqueles que estão interessados ​​em continuar a tocar música venezuelana ao longo do ano. [...] A idéia de ensinar a prática da música venezuelana é nascido em uma universidade japonesa após 25 anos de atividades do professor Ishibashi para a divulgação da música venezuelana fora do seu território original.

Desde 2006, a Universidade de Tóquio foi acessada músicos de grande prestígio e Venezuela com Huguette Contramaestre Quarteto, Gurrufío Ensemble, Sandoval Ricardo Collet e Mattias, Leonard Jacome, Rafael "Pollo" Brito, Marco Granados e Assembléia vNote, Caracas Synchronous , outros être, como parte da Semana Cultural da Venezuela, organizada pela embaixada venezuelana em Tóquio

Além disso, na Venezuela, os seguidores do Estudiantina criado um grupo no Facebook , onde eles compartilham opiniões, vídeos, artigos e fotos da Komaba Estudiantina. Na biografia, explicando a história do grupo e da sua dinâmica:

Os alunos aprendem sobre 6 peças a cada semestre - joropos, valsas, calypsos e orquídeas, e assim por diante. As peças que eles aprendem em sala de aula é um ponto de partida para o amor da música venezuelana para eles.

O Estudiantina não o único interessado em música venezuelana. Em seu blog Café e Fours [ja], Professor Yasuji pontuações compartilhar Deguchi, conselhos e cartas para os interessados ​​em tocar a música tradicional venezuelana.

O Estudiantina Komaba o artista venezuelano Cheo Hurtado. Imagem do grupo no Facebook "Fãs em Venezuela Estudiantina Komaba ', usadas com permissão.

As trocas de crescer e compartilhar em redes sociais. Através dessas conversas, descobrimos mais e mais artistas japoneses que têm como principal repertório de música venezuelana e um público japonês que se abre para os venezuelanos sons.

Em nosso próximo post irá explorar o que a blogosfera tem sido dito sobre Yoko japonês Yoshizawa, um artista especializado em Nippon harpa venezuelana. Por agora, vamos retomar esta troca com a entrada de Takuya Suzuki [ja], escrito durante a semana cultural na Venezuela. No texto, podemos ver como um político local encontrou sons que vinham de um lugar inesperado:

Eu acho que eu esperava ouvir sons simples, mas eu estava errado. É uma sofisticada mistura de folk e jazz, com o bandolim, o principal instrumento, criando melodias que vão. Eu tendia a concentrar-se em cenas de americanos e britânicos costumam ouvir rock, mas o mundo é um lugar tão grande e tão rico que eu ter reconsiderado a estreiteza da minha visão.

Escrito por Laura Vidal ° Traduzido por Julián Ortega Martínez · Ver post original [en] ° Comentários (0)
Partilhe: Meneame · facebook · Twitter · reddit · StumbleUpon · delicioso · Instapaper


Font